Cinema vs Streaming: uma batalha que a cada ano ganha novos desdobramentos

Com os cinemas fechados, o streaming se torna o porto seguro dos fãs de audiovisual.

Por Glória Santana e Rebeca Maria

A típica batalha que vemos nos filmes, como a dos Vingadores contra Thanos em “Vingadores: Ultimato”, ou como a de Godzilla e Kong no filme “Godzilla vs Kong”, pode ser comparada a que acontece entre as salas de cinema e os streamings. Uma guerra para definir o que seus espectadores assistirão em seus cinemas locais. Sejam eles nas grandes telas, ou mesmo na pequena tela do celular.

Cinema vs Streaming (Foto: Montagem feita com imagens retiradas da Internet)

Afinal, essa rivalidade é realmente necessária? “Acho perigoso colocar os meios como rivais sem considerá-los enquanto uma convivência harmônica. Além disso, é um pensamento muito voltado para a ideia de ‘midiacídio’, de que uma mídia vai rivalizar ou apagar outra”, destaca Victor Lages, mestre em Comunicação que atua na área de Cinema.

O Streaming

“A ascensão das plataformas de streaming é o caminho natural de exibição do meio cinematográfico, como foram as videolocadoras” – Victor Lages

Durante a pandemia de Covid-19, os aplicativos de streaming se tornaram o porto seguro dos fãs de audiovisual. Isso porque as salas de cinemas estavam fechadas devido ao isolamento social. De acordo com dados da pesquisa realizada pela Finder, plataforma dedicada a finanças pessoais, o Brasil se tornou o segundo país com maior consumo de aplicativos de filmes digitais. Cerca de 64,58% da população brasileira possui pelo menos uma assinatura em serviços de fluxo de mídia digital.

Uma das vantagens do modo de assistir filmes online é a comodidade que oferece. “Você fica em casa, pode chamar outras pessoas sem precisar pagar caro igual no cinema, pode ficar do jeito que quiser, comer e beber o que quiser, pausar, além de poder assistir a qualquer hora em qualquer dia”, destaca a Representante de Atendimento Ana Ferreira.

A Netflix é o serviço mais utilizado pelos brasileiros segundo a pesquisa da Finder, com 52,69% de gosto popular. A plataforma foi uma das primeiras a produzir atrações próprias e exclusivas. Esses dados não são uma coincidência, pois, o serviço de streaming vem tendo grandes investimentos em filmes e séries. Além de ser um dos grandes estúdios que lutam por espaço nas principais premiações e festivais do mundo cinematográfico.

“Algumas produções que levaram a ascensão da Netflix” (Foto: Manual dos Games)

Em 2015 a Netflix decidiu estrear um novo filme simultaneamente nas salas de cinemas e na internet exclusivamente para os assinantes. o que não foi muito aceito pelos festivais. “Quando ‘Beasts of no Nation’, o primeiro feito produzido pela Netflix, foi lançado, o Oscar não aceitou a sua candidatura na premiação. No ano seguinte, o Festival de Cannes também barrou filmes”, pontua Victor Lages.

O Cinema

O cinema existe desde 1895 e já passou por diversas crises, mas em 2020 com as salas fechadas, ficou inviável lançar filmes. Grandes produções como “Mulher-Maravilha 1984”, que seria aposta nas bilheterias, tiveram que ser adiadas. O que prejudicou bastante, visto que o sucesso desses filmes é o que sustenta parte da indústria do entretenimento.

No entanto, aos poucos, o cinema foi retomando suas atividades. Em outubro de 2021, filmes como “Duna”, “Venom: Tempo de Carnificina” e “007: Sem Tempo para Morrer”, mostraram uma ótima recuperação da indústria cinematográfica. A empresa Gower Street, responsável por analisar o mercado cinematográfico, mudou suas projeções para as arrecadações de bilheteria global desse ano – de US$ 20,2 bilhões para US$ 21,6 bilhões. Caso seja alcançada, o número representa um aumento de 80% em relação à arrecadação do ano passado, que foi de US$ 12,4 bilhões.

A experiência que as salas de cinema oferecem para o público é única. Para o estudante Jackson Paes Landim de 23 anos, “estar rodeado por pessoas que tiraram um tempo exclusivamente para aquilo, sem celulares, sem conversas, e em um ambiente que favorece muito para uma experiência de imersão no filme é uma experiência que você só vai ter em uma sala de cinema, e aquilo te marca muito”.  

“A incrível experiência das salas de cinema” (Foto: Guia da Semana)

De acordo com o Realizador Audiovisual, Thiago Furtado, “O cinema nunca vai deixar de ter sua magia e seu espaço. O streaming serve como um complemento e opção pra ver um filme… não tem outro lugar que faça a gente se sentir imerso no filme quanto o cinema”.

Estratégias de bom convívio entre o Cinema e Streaming

Na pandemia de covid-19 a indústria do entretenimento se viu obrigada a bolar estratégias de sobrevivência. Com os cinemas fechados e o streaming caindo no gosto do público surge um questionamento: vale a pena lançar grandes produções no meio digital, ou deve-se esperar as salas de cinema reabrirem? A Disney por sua vez decidiu, inicialmente, lançar “Mulan” na plataforma, o que não teve muito sucesso. Enquanto estudava outro meio de lançamento foi adiando outras produções.

Depois de tanta demora, decide lançar “Viúva Negra” no cinema e no streaming simultaneamente. O que não agradou a atriz principal da trama, Scarlett Johansson, que decidiu processar a Disney alegando quebra de contrato, já que a decisão do estúdio afetou nos seus ganhos, uma vez que a porcentagem recebida pela estrela depende diretamente da arrecadação das bilheterias.

“Scarlett Johansson processa Disney por lançamento de Viúva Negra no cinema e streaming ao mesmo tempo” (Foto: Café com Nerd)

Dentro desse contexto uma nova estratégia surge para favorecer os dois lados da moeda (Streaming e Cinema). A Disney decidiu que suas produções irão para sua plataforma digital 45 dias após o lançamento no cinema. Já a HBO optou por um prazo menor de 35 dias após serem exibidos nas telonas. “As plataformas de streaming estão ainda em vantagem por serem um meio inteiramente digitais por diminuírem o tempo de exibição entre o lançamento de cinema e o consumo em casa. Na época das videolocadoras, o tempo era de mais de 90 dias. Agora, o tempo é bem menor”, acrescenta Victor Lages.

A verdade é que cinema é arte. Não importa o local que vai ser exibida.  Não se pode estabelecer rivalidade entre os meios de exposição. Tudo que é novo assusta. A realidade é que as pessoas são atraídas por histórias e sempre vai ter público. “quando a rádio surgiu, acreditavam que os jornais impressos iam sumir e eles seguem existindo; quando a tevê nasceu, achavam que a rádio, as salas de cinema e os jornais impressos iam desaparecer e todos convivem ainda hoje. O importante é encontrar o ponto de convergência entre eles. Os streamings surgiram como um caminho paralelo dentro do mercado audiovisual”, conclui Victor Lages.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.