As cartas não mentem

Como a busca do autoconhecimento e os cuidados à saúde mental se encontram na prática do Tarot

Ana Karolina de Carvalho Pereira Araújo 

 A “Dark Lady” mencionada pela cantora Cher na canção de mesmo nome lançada em 1974 é um bom exemplo para começarmos essa matéria. A protagonista da célebre música experimenta uma ansiedade extrema após visitar uma cigana famosa da cidade de Nova Orleans que em um jogo de tarot aponta para ela uma traição em seu relacionamento. O sentimento da protagonista tem seu ápice em uma tragédia ao final da música quando descobre que a cigana na verdade é uma charlatã.  

Camila Garcia hoje se dedica exclusivamente ao tarot, mas desde pequena se inspirou nos pais que também gostavam do esotérico.

  Temos em “Dark Lady” uma ideia um tanto quanto comum de pessoas praticantes de artes esotéricas, como o tarot. A visão de que a mulher misteriosa vai enganar a cliente e “mexer” com sua cabeça com as previsões é algo presente até os dias de hoje. Contudo, o tarot atinge hoje um papel importante na luta a favor da saúde mental, se consolidando como uma ferramenta essencial de auxílio na busca pelo autoconhecimento. 

  Sabemos que a internet e principalmente as redes sociais são grandes impulsionadores para o desenvolvimento de sintomas relacionados à ansiedade, depressão e outros. O debate sobre saúde mental tem ganhado ênfase nos últimos anos e se tornado pauta principal em diversos meios, com isso, poderia o tarot atuar como um meio de terapia alternativa? Ordens e comunidades esotéricas se originaram ainda no século XIX trazendo em comum a premissa de busca do autoconhecimento do sujeito e demonstrando uma preocupação com bem estar físico, mental e emocional. “Eles buscavam o autoconhecimento e focalizavam que esse autoconhecimento era baseado na busca da integralidade do ser, na melhora do condicionamento como pessoa, dessa forma a mente não estaria isolada, não seria colocada em um âmbito esquecido” ressalta Sebastião Amorim, estudante de psicologia e pesquisador na área.  

  Inspirada desde cedo pelos pais, a taróloga e astróloga Camila Garcia, 26 anos, trabalha hoje exclusivamente com o tarot, realizando além de consultas particulares, tiragens gerais e conteúdos para redes sociais. “Eu tirava cartas para amigos, para mãe de amigos, senti que era algo que as pessoas gostavam muito e as pessoas também sempre diziam ‘ah, você tem uma intuição muito boa’, então aquilo me deu mais gosto, até que eu saí do trabalho e decidi comprar cartas diferentes e comecei a trabalhar com o tarot”, conta. Assim como ela, vários tarólogos atualmente trabalham no meio digital se expandindo para o público e levando conhecimento que vai além de uma simples “arte divinatória”, sendo capaz de atingir o inconsciente coletivo. “Acho que as pessoas tem muito esse preconceito de que o tarot é uma super questão de adivinhação, uma coisa muito mística, mas na verdade é um estudo de símbolos do inconsciente coletivo e tem muitas questões que muita gente está passando quando falamos no Twitter ou Instagram, as pessoas se identificam, então isso é inconsciente coletivo.” explica ela. 

   Esse inconsciente coletivo atingido pelo tarot pode ser explicado através da psicologia Junguiana, formulada pelo psiquiatra Carl Gustav Jung, “Ele reconheceu que ferramentas oraculares e outros tipos de oráculos de cartomancias causavam uma certa conexão entre o inconsciente coletivo simbólico social e o inconsciente do sujeito, o tarot ou a ferramenta oracular através da sincronicidade servia de ponte entre esse inconsciente que estava além do corpo do sujeito para o que estava dentro.” explica Sebastião. Um ponto interessante levantado por Sebastião foi que o consumo e prática do tarot e das artes esotéricas ainda carecem, no entanto, de pesquisas que se dediquem a entender seus efeitos e benefícios. “Há benefícios grandiosos que a gente não consegue mensurar tanto quanto deveria porque não há um estudo tão presente e pautado nas descobertas e o quanto podem auxiliar. Sabemos que a academia ainda é um pouco receosa nesse quesito, então tudo que se trata de práticas esotéricas seja oriental ou ocidental eles tratam com certo afastamento.” diz. 

    O tarot como forma de terapia alternativa pode trazer sim grandes benefícios ao sujeito, contudo ainda é necessário que o atendimento especializado seja recomendado, “por ser uma ferramenta que através do simbólico pode auxiliar o sujeito, promover mudanças de perspectiva e trazer à tona determinadas questões, acredito que pode sim ser uma forma de terapia alternativa, mas deve se ter um cuidado maior porque determinadas pessoas vão precisar de um aparato técnico e científico de um psicólogo, ou de uma pessoa especializada no assunto.” ressalta Sebastião. 

     Essa preocupação é algo compartilhado também por Camila, a taróloga explica que por vezes as próprias cartas podem demonstrar o estado mental do cliente. “Já teve a necessidade também por conta das cartas, as vezes a pessoa relata uma situação e as cartas demonstram certa angústia muita preocupação e eu falo que talvez essa situação precise de uma ajuda especializada, conversar com uma pessoa que foque nesses problemas específicos.” explica. A indicação ao atendimento psicológico, no entanto, não surte efeitos em alguns casos, como ressalta Sebastião. “Eu já realizei atendimentos onde a pessoa falou que preferia o atendimento pelo tarot porque assim ela não precisaria confiar os segredos dela a ninguém, mesmo eu incentivando-a a procurar um psicólogo.” afirma. 

    A relutância de algumas pessoas à busca pelo atendimento está ligada a algo mais profundo do que apenas uma simples recusa. A desinformação e a visão dada à psicologia como algo de pessoas “desequilibradas” é um dos motivos. “Ainda hoje há uma certa falta de credibilidade e desinformação acerca da psicologia, ela ainda é vista como “coisa de doido” ou de pessoas que sofrem com problemas ou estão agonizantes, o trabalho do psicólogo, no entanto, vai além da pessoa que está em crise, é exatamente para evitar q você caia numa crise.” explica Sebastião. 

    O papel do tarólogo nessa indicação acaba por se tornar essencial, além de consolidar esse papel do profissional em sempre auxiliar na busca pelo bem estar do sujeito. “Acho mais que importante principalmente porque os tarólogos estão em uma ponte com mais ao acesso popular. O trabalho deles de recomendar o psicoterapeuta é muito importante quando há um trabalho mais efetivo na busca pela saúde mental, como você vai tratar de determinadas questões se a sua saúde mental está abalada? Muitas vezes a busca pelo conhecimento não está só contida na pratica magica, mas na busca também pelo psicoterapeuta.” diz Sebastião. 

   Outro fator importante do tarot é a sua pontualidade quanto ao presente, como explica Camila, o tarot costuma trabalhar com questões levando em consideração o livre arbítrio de cada um, ou seja, as cartas mostram, mas é você quem tem o poder de escolha.  “Eu acho que o tarot deixa a gente muito ciente do nosso momento agora, do nosso presente, então isso é algo muito importante, muito relevante quando falamos de saúde mental, porque na questão da ansiedade por exemplo ou a gente fica muito no passado ou muito no futuro. A abordagem dos meus clientes sempre foi essa, que tenhamos noção dos nossos caminhos e escolhas que fazemos porque elas interferem, precisamos ficar focados no agora, no presente para melhorar algo no futuro.” ressalta.  

     O uso do tarot como terapia alternativa aliado à prática da terapia com profissionais é uma ferramenta poderosa para qualquer pessoa que se proponha a embarcar na jornada de autoconhecimento e cuidado com a saúde mental. “Gosto de dizer que é como um quebra-cabeças, ele te dá uma iluminada ali e te dá a oportunidade de montar o que você tem dificuldade de ver.” afirma Camila. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.