Os desafios do isolamento para os jovens

Devido à pandemia, o isolamento social é uma das principais medidas preventivas imposta pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Por Felipe Andrade

Imagem: Reprodução

Nove meses se passaram desde o início do isolamento social. Ao longo desses
meses, muitas pessoas tiveram que se adaptar a uma nova rotina. O trabalho
passou a ser feito em home office e o contato social foi restringido a uma
simples tela. É um período difícil que, para muitos, vem chegando ao fim com a
retomada gradual das atividades. Além disso, não podemos desconsiderar as
possíveis novas ondas de contágio. Portanto, em alguns casos, as atividades
remotas ainda são necessárias.

É o que acontece nas escolas e universidades. Os estudantes continuam em
casa e o longo tempo de reclusão, por si só, pode originar diversos problemas.
Porém, o fato de também enfrentarmos uma pandemia, contribui ainda mais para o
surgimento desses problemas. Como destaca a psicóloga Jessyca Maria Lima:

“Nem todos estavam preparados para essa brusca adaptação. O fato de saber que havia uma nova doença, ainda desconhecida em nosso meio trouxe consigo: medo, ansiedade, sentimentos e sintomas diversos que moldaram a vida de muitas pessoas. Estar a maior parte do tempo recluso fez com que os sintomas de muitos indivíduos se acentuassem, como os relacionados ao estresse, transtorno de ansiedade, transtorno depressivo, de humor e de caráter social. Lidar com a reclusão e digamos com afazeres domésticos, trabalho em Home Office e atividades escolares deixou uma sobrecarga tanto física quanto emocional

Ela também ressalta as maneiras de combater esses problemas, como busca de
apoio profissional:

É o primeiro passo quando estamos lidando com problemas psicológicos e não conseguimos nos ajustar ao ambiente em que estamos. E associado a isso, buscar praticar exercícios físicos e manter uma rotina de qualidade, buscando traçar e estabelecer metas que melhor se adequam a nova rotina

E quais são os problemas que os jovens têm enfrentado?

Através de uma enquete informal com estudantes do ensino superior, foi
possível destacar alguns dos problemas mais recorrentes. Para eles, ansiedade,
tédio, sedentarismo e medo são os principais. Alguns afirmaram que estar longe
dos amigos e familiares têm sido um dos principais fatores para sua ansiedade.
Nesses casos, os vídeo games se mostraram uma alternativa para combater, tanto
essa ansiedade, como também o tédio.

“Jogando on-line, eu posso manter contado com os amigos, ao mesmo tempo que me divirto jogando com eles. O tempo passa mais rápido e eu até esqueço do que está acontecendo lá fora” comenta um dos entrevistados. Porém, em alguns casos mais graves, onde a ansiedade já havia se tornado um transtorno, a solução só foi encontrada por meio de terapia e medicamentos.

Já ao falar de medo. Muitos jovens se sentem inseguros. Quando precisam sair de casa, além de ruas menos movimentadas, o risco de acabar contraindo a Covid se torna um grande temor. A insegurança em transportes públicos e locais movimentados são os maiores desafios.

O isolamento também pode ser inspirador

O isolamento não trouxe apenas problemas. Para Eduardo Rodrigues, estudante de pedagogia da UESPI, essa situação trouxe a oportunidade de se dedicar mais as poesias:

“Eu, particularmente, comecei a escrever poesia quando tinha nove anos, inicialmente com letras de músicas, claro que nem todas eram poéticas de fato. Os poemas, em si, vieram um pouco depois aos doze anos. Atualmente venho escrevendo mais”.

Para ele, escrever foi uma maneira de preencher o tempo livre e uma “forma de terapia” que o ajudou a lidar com a reclusão:      

“Nos quatro primeiros meses da pandemia fiquei com muito tempo para escrever. Além disso, a pandemia me trouxe muita inspiração. Em meio a todo um cenário de incertezas com relação à vida, ao futuro e tanto pessimismo, me senti mais inspirado a escrever e buscar formas de divulgar os meus poemas, estas, por sua vez, me motivaram ainda mais, visto a quantidade de pessoas que consegui alcançar pela internet nessa quarentena”.

E conclui destacando como escrever suas poesias é importante para a expressão de sentimentos e para sensibilizar outras pessoas, que podem vir a se identificarem com essa atividade. Eduardo compartilha suas poesias no Instagram @poetaeduardorodrigues.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.